Professional music notation services, only on FIVERR!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Capítulo 15 - ACENTUAÇÃO

ALTERAÇÕES DA ACENTUAÇÃO

A acentuação musical trata dos acentos que encontramos na música, utilizados para enfatizar as frases atribuindo-lhes determinados sentidos, emoções e sentimentos.

Este assunto é importante e tem um grande valor no momento da execução de toda música que os utiliza.

Para a perfeita compreensão deste assunto, é necessária muita atenção, e não apenas uma “leitura rápida”. Ler, reler, esta é a forma de compreender perfeitamente. Você verá que é fácil. O contratempo e a síncope (também chamada de sincopa) são facilmente encontrados nas músicas que você irá estudar e tocar.

Observar novamente os capítulos anteriores sobre divisão do compasso será muito útil.
Os acentos dos compassos são postos normalmente nos tempos fortes (acentuação principal), por exemplo: em um compasso quaternário (4 por 4), onde existem quatro tempos formados por 4 semínimas, o primeiro tempo é considerado forte e o terceiro tempo considerado tempo Meio Forte, já o segundo e o quarto tempos são considerados tempos fracos.

Há certa controvérsia entre autores, onde alguns consideram o primeiro e o terceiro tempos do compasso quaternário como Fortes. Aqui isso ocorrerá apenas no caso de facilitar a didática ou exemplificar algum contraste no sentido da frase.



Os acentos também estão nas notas mais fortes dos tempos (acentuação secundária), como mostrado abaixo:

Veja que o segundo tempo do compasso (tempo fraco) é composto por 4 semi-colcheias. Vamos estudá-lo individualmente.

As notas que formam esse segundo tempo do compasso recebem as mesmas definições de tempos fortes e fracos. Contudo o seu tempo forte não se equivale em intensidade ao do tempo forte do compasso. O tempo forte deste grupo de notas terá a intensidade do tempo fraco do compasso e os tempos fracos do grupo de notas serão ainda mais fracos.



Neste outro exemplo vemos que o terceiro tempo do compasso (Meio Forte), é composto por 4 semi-colcheias. Vamos fazer como fizemos anteriormente, estudá-lo isoladamente.

As notas que formam esse terceiro tempo do compasso recebem as mesmas definições de tempos fortes e fracos. Contudo seu tempo forte se equivale em intensidade ao do tempo forte do compasso. Já os tempos fracos desses grupos de notas se equivaleram em intensidade aos tempos fracos do compasso.

Pois bem, tudo o que vimos acima, é considerado como sendo a acentuação normal do compasso, e como existe exceção para toda regra, vamos vê-las a partir de agora..

Ou o acento é deslocado, o que se denomina contratempo, ou ele é suprimido, ao que damos o nome de sincope. Vejamos estes conceitos isoladamente.

SÍNCOPE

A síncope existe quando o tempo fraco ou parte fraca de um tempo se prolonga para o tempo forte do compasso ou parte forte seguinte, do mesmo tempo. O acento, que deveria surgir nestes últimos, não aparece, sendo suprimido em função disso.

Esta alteração separa o som em duas partes, uma fraca e uma forte. A síncope é indicada pela ligadura e, às vezes, pela nota pontuada.

Abaixo vemos o tempo fraco se prolongando para o tempo forte.


Agora vemos o tempo fraco se prolongando para a parte forte de um tempo do compasso


Na figura a seguir vemos a parte fraca se prolongando para o tempo forte.


Nesta próxima figura já vemos a parte fraca se prolongando para a parte forte de um tempo  do compasso.


Dentro do mesmo compasso, as notas ligadas que formam a síncope geralmente são substituídas por uma só nota, que representa o mesmo valor.



A nota sincopada é aquela que ocupa o lugar onde deveria cair o acento normal.


As síncopes podem ser regulares ou irregulares.

Regular – Ocorre quando as notas que formam a síncope têm os mesmos valores, ou seja, quando as partes fracas e fortes do som forem iguais.

Exemplo:



Irregular – Ocorre quando as notas que formam a síncope têm valores diferentes, ou seja, quando as partes fracas e fortes do som forem desiguais.

Exemplo:


É bom lembrar que as síncopes são muito freqüentes na música brasileira, principalmente nos sambas, onde o ritmo sincopado é indispensável. Os europeus têm muita dificuldade com os ritmos brasileiros exatamente por causa dessa divisão “quebrada”, visto que são mais acostumados a um som “reto”.

Exemplo:


CONTRATEMPO

O contratempo existe quando o acento é deslocado, isto é, quando ao invés de cair em um tempo forte do compasso ou parte forte do tempo, ele cai em tempo fraco do compasso ou parte fraca de tempo sem, no entanto, se prolongar até o tempo forte ou parte forte do tempo, como ocorre na síncope.


Os contratempos podem ser regulares ou irregulares.

Regular – Ocorre quando a nota e a pausa têm a mesma duração.



Irregular – Ocorre quando a nota e a pausa têm durações diferentes.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Capítulo 14 - QUIÁLTERAS

QUIÁLTERAS

Neste capítulo vamos conhecer os grupos de notas que não obedecem à divisão do compasso, normal e determinada. Chamam-se quiálteras o grupo de figuras que aparecem em maior ou menor número do que o estabelecido pelo compasso ou tempos do mesmo.

No exemplo abaixo, vemos compassos indicados, que não seguem a divisão determinada.



Já no exemplo seguinte, vemos compassos indicados, que não seguem a subdivisão determinada.



O grupo de três figuras com valor de duas, indicado pelo número 3 sobre ou sob as notas, chama-se tercina ou três-quiálteras. O grupo de cinco figuras com valor de quatro chama-se cinco-quiálteras, e assim por diante.



As quiálteras são representadas pelos mesmos valores usados na divisão ou subdivisão normais. Assim, no segundo exemplo se escrevem cinco semicolcheias onde normalmente apareceriam quatro, e três colcheias onde normalmente apareceriam duas.



As quiálteras devem ser abrangidas por uma linha curva ou por um colchete:



  • O colchete é preferível, pois se for uma linha curva pode ser confundida com a linha curva de fraseio, que é uma linha curva que representa um som que se prolonga por diversas notas. Veja o exemplo:



As quiálteras podem ser aumentativas ou diminutivas.



QUIÁLTERAS AUMENTATIVAS

São aquelas cujas somas dos valores são maiores que o valor ou o grupo de valores normais.





Exemplos de 3, 5 e 6 quiálteras.



QUIÁLTERAS DIMINUTIVAS

São aquelas cujas somas dos valores são menores que o valor ou grupo de valores normais.



Exemplo de duas-quiálteras.



QUIÁLTERAS REGULARES

São grupos de valores alterados. Que no Compasso Simples possuem mais a metade do valor do grupo normal e no Compasso Composto possuem menos um terço do valor do grupo normal.

Quiálteras Regulares no Compasso Simples:



Os grupos normais de 2, 4, 8, 16, 32 e 64 mais a metade, resultam em quiálteras regulares de 3, 6, 12, 24, 48 e 96.

Quiálteras Regulares no Compasso Composto:



Os grupos normais de 3, 6, 12, 24, 48 e 96 menos 1/3, resultam em Quiálteras Regulares de 2, 4, 8, 16, 32 e 64.

Pelos dois quadros acima, podemos observar que as quiálteras regulares do Compasso Simples são grupos de valores alterados, iguais aos grupos normais do Compasso Composto e vice-versa, com figuras da mesma espécie.

QUIÁLTERAS IRREGULARES

São formadas por grupos alterados de 5, 9, 10, 11, 13, 14, 15, 17 etc., por não pertencerem à divisão binária nem ternária dos valores estabelecidos.

QUIÁLTERAS COM VALORES DIFERENTES

As quiálteras também podem ser formadas por figuras positivas e negativas de valores diferentes.




As quiálteras podem ser formadas nos tempos, nas partes de tempo e preenchendo o compasso.



A quiálteras podem ser compostas por valores diferentes ou pausas ou ambos ao mesmo tempo. Vejamos no exemplo abaixo:



  • Neste caso, o nome das quiálteras não muda. Assim, nos exemplos dados, cada grupo de notas continua sendo chamado "três quiálteras" ou tercina.

As quiálteras podem, por sua vez, conter quiálteras de valor menor, como representado na figura abaixo.


Às vezes, devem-se executar simultaneamente:

a) grupos normais e quiálteras:


b) quiálteras diferentes:


A isso se denomina contra-ritmo.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Capítulo 13 - ANDAMENTO

ANDAMENTO

Por definição, Andamento é a velocidade com que a música é executada. É indicado tradicionalmente por palavras de origem italiana, pois foram os italianos que, no princípio do século XVIII, designaram os termos para ele. Estes termos são escritos no início do trecho cujo andamento deve ser indicado, logo acima da pauta musical.



Existe um aparelho que indica, com exatidão absoluta, o andamento. Esse aparelho é o metrônomo. A figura abaixo ilustra o mais tradicional, normalmente feito em madeira e com um mecanismo como o de um relógio e que depende de corda, como os relógios antigos. Hoje entretanto, encontram-se os eletrônicos que além de terem essa funcionalidade também são afinadores.



Nesse da figura acima, no pêndulo há uma graduação, bem como no corpo do aparelho. O contrapeso é ajustado na altura da haste e faz com que ela tenha um andamento mais rápido, quanto mais próximo à base e mais lento, quanto mais na ponta é posicionado. A velocidade do pêndulo é normalmente graduada de 30 a 230 bpm (batidas por minuto).

Geralmente a marcação metronômica nas partituras é feita da seguinte maneira:



Ou seja: 120 semínimas por minuto, e 96 colcheias pontuadas por minuto.

O metrônomo foi inventado no princípio do século XIX, pelo mecânico austríaco Johann Nepomuk Maelzel. Por isso, até bem pouco tempo as indicações metronômicas nas partituras eram feitas assim:


Sendo que o M.M. é a abreviatura de "Metrônomo Maelzel".

Maelzel era amigo de Beethoven, que foi o primeiro compositor a usar indicações metronômicas. Então, toda indicação encontrada em música anterior a Beethoven deve ser atribuída ao revisor da obra e não ao seu autor.

Os andamentos variam desde os bem vagarosos até os muito rápidos.

Eis os termos mais usados:

• Largo, Adágio, Lento = 40 a 60 bmp

• Larghetto = 60 a 72 bpm

• Andante = 72 a 84 bpm

• Andantino, Alegretto = 84 a 120 bpm

• Allegro = 120 a 150 bpm

• Presto = 150 a 180 bpm

• Prestissimo = 180 a 208 bmp

Esses andamentos podem ainda ser graduados assim:

• Assai = muito

• Con moto = com movimento

• Ma non troppo = mas não muito

• Molto = muito

• Mosso = movimentado

• Poco = pouco

• Quase = quase

• Troppo = muito
Exemplos disso:

  • Andante con moto

  • Allegro ma non troppo

  • Andantino quasi allegretto

Além disso, aos andamentos costumam somar-se ainda palavras que exprimem o caráter da música.

• Affetuoso = afetuoso

• Con anima = com alma, com disposição

• Con brio = com brio, com entusiasmo

• Con spirito = com finura

• Giocoso = jocoso, irônico

• Risoluto = resoluto, decidido

• Scherzando = brincando

• Tranquilo = tranqüilo

• Sostenuto = sustido, sustentado

Exemplos disso:

  • Andantino affetuoso

  • Allegro con brio

  • Allegretto scherzando

Ou ainda, os andamentos indicados com nomes de danças:

• Tempo di polca

• Tempo di mazurca

• Tempo di waltzer

• Tempo di marcia, etc.

Em muitos casos o compositor não quer fixar com rigidez o andamento, preferindo deixar ao intérprete certa margem de escolha. Nesse caso, a indicação metronômica é feita da seguinte maneira:



Sendo assim, eis os valores de andamento (em notas por segundo):

48 = 4 semínimas a cada 5 segundos

50 = 5 semínimas a cada 6 segundos

60 = 1 semínima por segundo

72 = 6 semínimas a cada 5 segundos

80 = 4 semínimas a cada 3 segundos

96 = 8 semínimas a cada 5 segundos

100 = 5 semínimas a cada 3 segundos

120 = 2 semínimas a cada 1 segundo

180 = 3 semínimas por segundo

E assim por diante.

MUDANÇA NO ANDAMENTO

No decorrer da música o andamento pode sofrer alterações e elas são indicadas pelas seguintes palavras:

DIMINUINDO A VELOCIDADE









AUMENTANDO A VELOCIDADE







Após qualquer modificação do andamento, indica-se a volta à velocidade inicial por uma destas expressões:

A tempo

1º tempo

In tempo

Tempo 1º

Comme prima

Tempo primo


COMPASSO / ANDAMENTO / RITMO

Cuidado para não confundir de maneira alguma esses conceitos. Os três conceitos existem simultaneamente em qualquer música, entretanto guardam suas diferenças:

Compasso: é a divisão da música em pequenas partes de duração de tempo.

Andamento: é a velocidade com que a música ou parte dela deve ser executada.

Ritmo: é a maneira como se sucedem os valores na música.


No exemplo acima:
Compasso: 2 por 4;
Andamento: 120 bpm
Ritmo: