Professional music notation services, only on FIVERR!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Capítulo 12 - GRAFIA: COMPASSO

COMPASSO

 Quando a música começa no primeiro tempo do primeiro compasso, chamamos este compasso de compasso tético. Mas nem sempre a música começa assim. Ela pode iniciar em qualquer parte do compasso. Sendo assim, quando as primeiras notas da música somarem mais da metade de um compasso binário ou quaternário, ou mais de 2/3 de um compasso ternário, escreve-se um compasso inteiro, iniciado com pausas. A este tipo de compasso chamamos compasso acéfalo.


Quando as primeiras notas da música somam menos da metade de um compasso binário ou quaternário, ou menos de 2/3 de um compasso ternário, escrevem-se apenas as notas, sem completar o compasso. Ou seja, neste caso temos a anacruse.


É costume, neste caso, fazer com que o último compasso da música, complemente o que falta do compasso inicial.


PONTO DE AUMENTO

No compasso quaternário, a mínima pontuada só deve ser escrita no 1º ou no 2º tempo, nunca na parte fraca do 1º tempo.



No compasso quaternário, se o 2º tempo se prolonga para o 3º, usa-se a ligadura e não o ponto de aumento.


No compasso quinário, se a parte ternária se prolonga para a binária devemos utilizar a ligadura e não o ponto de aumento.


O mesmo acontece se é a parte binária que se prolonga sobre a ternária.



IMPORTANTE: O mesmo se aplica ao compasso setenário.

DISTRIBUIÇÃO DAS NOTAS NO COMPASSO

Os colchetes podem ser unidos, nos casos das figuras: colcheia, semicolcheia, fusa, semifusa e quartifusa. Contudo devemos evitar uni-las ligando-se os tempos entre si.



Porém existem exceções! No caso do compasso ternário, podemos ligar os colchetes de todas as COLCHEIAS, assim:


No caso do compasso quaternário, podemos ligar as colcheias assim: 1º + 2º e 3º + 4º tempos, mas não 2º + 3º.


Nos compassos que têm como unidade de tempo a colcheia, devemos ligar os tempos da seguinte maneira:

Compassos 2 x 8 e 3 x 8:



Compassos 4 x 8: 1º tempo + 2º e 3º + 4º (mas não 2º e 3º):




Quanto aos compassos quinário e setenário:

Se a unidade de tempo possui colchete, a união deles indica claramente a acentuação.



Se a unidade de tempo não tem colchete, indica-se a acentuação separando com uma linha pontilhada as partes do compasso:



Ou escrevendo a fórmula do compasso da seguinte maneira:


DISTRIBUIÇÃO DAS PAUSAS NO COMPASSO

Quando a pausa abrange todo o tempo de um compasso, pode-se escrever a pausa de semibreve, qualquer que seja a fórmula do compasso.


A pausa pode somar tempo:


Mas não pode somar parte de um tempo com parte de outro tempo.


No compasso quaternário, a pausa não deve somar o 2º e o 3º tempos.


Não é costume usar pausa de mínima no compasso ternário:


Em compasso composto, a pausa pode ser pontuada ou desdobrada:


9 comentários:

  1. Muito bom o material! Eu sou apaixonado pela musica erudita, mas nao tenho tempo pra fazer aula. Muito boa a iniciativa de ajudar pessoas q nem eu....rsrs

    Minha duvida: Você diz que "Quando a pausa abrange todo o tempo de um compasso, pode-se escrever a pausa de semibreve, qualquer que seja a fórmula do compasso."
    Como isso funciona, por ex. num 2/4 a semibreve valeria 4, mas se eu siguir o que você falou ela vai valer 2? já q o compasso é de 2 tempos. Ou ela vai valer 4 ja q a seminima é a unidade de tempo?.......hehe
    Tô na duvida!...........socorro!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Marcos! Muito grata pelos elogios! Quanto a sua dúvida, num compasso 2/4 (duas semínimas por compasso) a semibreve equivaleria ao valor das 2 semínimas. Não importando quantos tempos ou qual a figura de compasso, a pausa de semibreve ocuparia sempre o valor total do compasso. Espero ter ajudado! Abs.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pela resposta. Era uma duvida boba, mas tava me incomodando...hehe

    Agora eu tenho outra duvida, vou tentar explicar:
    Eu tava folheando uma partitura quando vi um compasso q alem das figuras q o completavam, tinha tb 2 semicoucheias pequeninas antes de uma seminima.
    eu ouvi a execução e nessa parte o interprete tocou elas como se fosse um floreio.
    acho q é isso.....hehe
    eu queria saber qual é o nome disso e como se usa. O estranho pra mim é q sem essas pequenas semicoucheias o compasso ja estava completo, no caso elas ultrapassaram o limite permitido.
    Desculpa por essa duvida q naum tem nada a ver com o assunto do artigo, mas eu preciso saber.....rsrs
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Marcos, estas semicolcheias pequenas realmente não contam no tempo do compasso, pois são, como você deduziu, floreios. Chamam-se apogiaturas e são tocadas rapidamente, para dar graça à nota seguinte. Abs!

    ResponderExcluir
  5. hmm obrigado de novo.....rsrs
    no caso da apogiatura entao o tempo q leva pra exucutar o floreio no caso de 2 semicolcheias, elas sao subitraidas do tempo da seminima, certo?
    a seminima no caso ficaria valendo a metade dela mesma, certo?

    ResponderExcluir
  6. Sim, Marcos! Você subtrai do tempo da nota principal as apogiaturas. Porém não reduz significativamente esse tempo. As apogiaturas descontam um tempo muito ínfimo da nota principal. Nesse caso você dá dois ataques rápidos na apogiatura e sobre para a nota principal. Por padrão, creio que posso dizer que nesse caso as apogiaturas juntas somam 1/4 do tempo da semínima, por exemplo.

    ResponderExcluir
  7. obrigado!
    estudando e aprendendo.......XD

    ResponderExcluir
  8. Vera Regina Freitas9 de setembro de 2010 16:04

    Muito boa a iniciativa do seu site. Sempre recomendo aos meus alunos para esclarecerem dúvidas.

    ResponderExcluir

Curta o Teoria Musical no Facebook!
https://www.facebook.com/TeoriaMusical

Visite o site do Teoria Musical!
http://joannabraccini.wix.com/teoriamusical